domingo, 12 de outubro de 2008

O que fazer com essa tal liberdade?

Meus amigos, ouve-se muito o conceito "liberdade de expressão" por aí. Define-se liberdade de expressão como sendo o direito de manifestar "livremente"opiniões, idéias e pensamentos. Basicamente, este conceito está inserido nas atuais democracias onde, teoricamente, a censura não deveria ter respaldo moral.

Ótimo. Lindo conceito!

Porém, esse direito que nos foi assegurado pela Constituição de 1937, foi perdido durante a Ditadura Militar. Antes dela, Getúlio Vargas não extinguiu a liberdade de pensamento, mas criou uma lei de imprensa onde a colocava como criminosa se não seguisse as normas estabelecidas.

Durante a Ditadura, esse direito na sua totalidade foi extinguido de nós, cidadãos que só foi retomado com a Constituição de 1988, quando um regime maquiado como DEMOCRACIA passou a vigorar novamente no nosso país.

Mas vamos lá. São 20 anos de Constituição. E não devemos acreditar que a liberdade de expressão realmente existe. Princicipalmente na imprensa. Nós, jornalistas, ainda somos "vigiados" em nossos textos. As empresas onde trabalhamos querem ver o que opinamos antes de aprovar sua publicação. As instituições para as quais pertencemos nos cobram posicionamentos que convenham a elas. Muitas vezes (e muitas mesmo) precisamos nos adaptar ao pensamento e à conduta de nossos mandantes para não perdermos aquele salário que paga as nossas contas.

Por conta disso, e para cobrir essas "recomendações", criou-se uma outra expressão: profissionalismo. Ou seja, se você for realmente um PROFISSIONAL você deve aceitar o que estão lhe impondo.

E o direito a livre expressão? Se eu não sou um profissional, quer dizer que também não posso ser um ser humano com minhas próprias visões e opiniões sobre a sociedade, a política, a vida como um todo? Até onde realmente somos livres?

Levando-se em consideração que a liberdade de expressão passou a ser vigiada pelos regimes políticos, será mesmo que a política que se faz hoje é algo que valha a pena? Vivemos em um país onde o Presidente da República manda tirar do ar um comercial de televisão, onde a justiça proibe a publicação de livros, a divulgação de músicas e a realização de shows. Isso não é censura? E a tal da democracia?

O verdadeiro princípio democrático tem um elemento indissociável que é a liberdade de expressão. Em contraposição a isso, existe a censura que representa a supressão do Estado democrático.

Para o nosso querido amigo de todas as dúvidas Aurélio, liberdade é a faculdade de cada um decidir ou agir segundo sua própria determinação, podendo agir no seio da sociedade organizada. Também está relacionada a confiança, familiaridade, intimidade. E o que fazer com ela se somos vigiados?

Aliás, o conceito de liberdade vigiada é adotado para presidiários que ganham suas liberdades condicionais e, por isso, não é uma liberdade plena.

Não vivemos entre as grades de uma prisão, mas o que se mostra todos os dias é que estamos vivendo nos limites das grades sociais e políticas que tanta gente defende e aceita como sendo DEMOCRACIA.

O grande Renato Russo já perguntava "Que país é esse?". Eu agora lhe pergunto: "Que liberdade é essa?". Uma liberdade enfeitada de nuvens brancas que, na verdade, escondem os mais negros temporais que trazem consigo trovões e raios que têm como ponto final o cidadão comum, o cidadão de bem que, por não ver maldade nas coisas, acredita que para ter profissionalismo precisa baixar a cabeça e aceitar as imposições que "a vida" lhe propõe.

É uma farsa acreditar que estamos livres no Brasil. Já diz o hino do meu querido Rio Grande do Sul: "Mas não basta prá ser livre, ser forte, aguerrido e bravo. Povo que não tem virtude, acaba por ser escravo".

3 comentários:

Memé disse...

Fer! PARABÉNS!Que belo Texto! Que Verdades verdadeiras!Realmente você soube expressar com suas sábias e certas palavras o que ainda existe de anti-democrático em nosso país e que muitas vezes, está encoberto por um falso profissionalismo. Você é demais! Te amo.

Lala disse...

É cadê a liberdade de expressão, para podermos opinar sobre nossas idéias sobre a vida o modo de vestir, falar e viver?
Sábias tuas palavras como sempre...
Deixe-me contar sobre um fato que ocorreu comigo: estava eu sentada em minha classe durante a aula, a professora (ótima professora, inteligente, bonita, simpática e elegante)chega em nossa sala senta-se em sua classe e nos diz: -Turma, eu quero que vocês façam uma redação sobre "O lixo e seus problemas" em 30 minutos e depois vocês iram ler para toda a turma.

Até aí tudo bem, cada aluno fez suaredação, e na hora de lercomo eu era a primeira da fila, fui a primeira a ler.

Citei os problemas sociais e econômicos, falei muito sobre a falta de oportunidade de emprego para os jovens que não vem dehoje, mas de muito tempo atrás e agora apenas está se agravando, assim explicando o porque de o povo se sujeitar a recolher o lixo que nós usamos, morar na beira do lixo, comer lixo, ter sua casa montada de lixo eviver no lixo.

Quando eu falei que a maior parcela de culpa era dos governantes, ela ficou vermelha, roxa, azul, lilás, preta, não tinha mais que cor ficar, e me mandou para a secretaria de escola, alegando que eu tinha falado mal do presidente (ela é do PT, partido do atual presidente) então prestes a assinar uma advertência eu perguntei para ela e para a diretora se elas conheciam as palavras: "democracia" e "liberdade de expressão".

As duasse entreolharam e zombando de mim, me pediram para comentar sobre este assunto (como se eu não soubesse). E eu falei : -É claro, por que não? Bem a liberdade deexpressão, ou democracia, foi criada...

Citei tudo o que a dinda citou, no final elas ficaram boquiabertas e a diretora retirou a advertência e disse que era um orgulhgo ter-me como aluna em sua escola e a professora até hoje pega no meu pé.

Raysa Bouvier disse...

q lindo texto !
peguei um trecho e coloquei no forum de uma comuidade do orkut... nao esqueci dos creditos rs
http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=56031692&refresh=1
de parabe´ns belo texto